Seja no momento de carga e descarga, seja por ficar muito tempo sem funcionamento, um caminhão parado gera diversos prejuízos para a empresa. Afinal, o tempo em que o veículo está ocioso poderia ser utilizado para ampliar a receita da companhia. No entanto, a perda vai muito além da questão econômica.

Tem dúvidas sobre o assunto? Neste post, explicamos os custos de deixar um veículo de transporte de cargas sem rodar. Descubra o tempo em que é possível ficar parado sem grandes perdas, veja como calcular o valor de um caminhão ocioso e entenda os principais prejuízos. Aproveite a leitura!

Quais são os problemas de deixar o caminhão parado?

No transporte de cargas, o tempo gasto na descarga e na espera para o descarregamento amplia o risco de problemas e custos para a empresa. Quão longo for o período em que o caminhão permanecer parado, maiores são as chances do pagamento de horas extras ser necessário, das entregas atrasarem ou, até mesmo, de precisar fazer mudanças no itinerário.

Quanto tempo o caminhão pode ficar parado sem apresentar grandes prejuízos?

Para as transportadoras, o ideal é que se gaste o menor tempo necessário no descarregamento e carregamento do caminhão. No entanto, como nem sempre isso é possível, de acordo com Lei 13.103/2015, a empresa pode cobrar taxas extras para ressarcimento do tempo de espera excessivo.

Para isso, é preciso que o tempo de carga e descarga esteja previsto no contrato com a transportadora. Dessa forma, se a espera exceder o combinado, é permitido requerer que seja ressarcida. Veja os prazos comuns de espera para esses procedimentos:

  • carregamento de carga paletizada — 1h30;
  • descarregamento de carga paletizada — 1h30;
  • carregamento de carga não paletizada — 3h;
  • descarregamento de carga não paletizada — 3h.

Caso o tempo previsto seja ultrapassado, a empresa pode cobrar taxas extras para evitar grandes prejuízos. Nesse contexto, os motoristas devem ser orientados a guardar quaisquer documentos que comprovem o horário de chegada e saída para a operação de carga e descarga, como: canhotos, romaneios, controles internos etc.

Como calcular o custo de um veículo parado?

Apesar do ressarcimento do prejuízo do caminhão parado ser garantido por lei, a norma não estipula uma taxa exata. Desse modo, é responsabilidade do transportador levantar os gastos e definir o custo adequado para ser cobrado.

Para tanto, é importante calcular o custo da hora parada (CHP). O cálculo leva em conta três fatores principais que geram custos:

  • custo fixo mensal (CFM) do caminhão — como despesas com seguro, manutenção etc.;
  • total de horas trabalhadas com o uso do veículo em um mês;
  • taxa de remuneração e administração do serviço — estipulada pelo transportador e incluindo, por exemplo, custos com ajudantes.

Para calcular o custo da hora parada é preciso dividir o custo fixo mensal pelo número de horas trabalhadas multiplicado pela taxa de remuneração. Se, por exemplo, o caminhão costuma ser utilizado 240 horas por mês e a taxa de remuneração combinada for 0,7.

A fórmula ficaria: CHP = CFM ÷ (240 x 0,7).

Dessa forma, se supormos que o CFM do seu caminhão seja R$ 1.400. O cálculo seria:

240 x 0,7 = 168.

Depois, ao dividir o CFM por esse número:

1400 ÷ 168 = 8,33.

Nesse exemplo, cada hora em que o caminhão estivesse parado teria um custo de R$ 8,33. Faça o cálculo com os valores da sua empresa para definir o valor gasto enquanto o veículo está imóvel e evite prejuízos.

Caso o contrato não determine uma taxa para o tempo excessivo, a legislação diz que o prazo máximo de espera é de 5 horas. Após esse tempo, deve ser pago um valor por tonelada/hora. A quantia estipulada pela norma é R$ 1,38 por tonelada/hora, mas há reajustes anuais de acordo com a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Quais são os prejuízos de deixar o caminhão parado?

Além dos custos com o tempo de carga e descarga, a empresa também deve estar atenta às perdas ocasionadas pelo período em que o veículo fica ocioso. De acordo com uma pesquisa da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), havia pelo menos 70 mil caminhões parados por falta de carga ou de motoristas no país em janeiro de 2018.

Para melhorar a gestão da frota de caminhões da sua empresa, conheça os principais prejuízos de um caminhão parado!

Desgaste do caminhão

Com o veículo parado, a empresa deixa de realizar novas viagens e, assim, tem o lucro reduzido. No entanto, os prejuízos não são apenas financeiros. Há ainda o desgaste do motor, especialmente se o motorista deixar o caminhão ligado enquanto não estiver rodando e não fizer a adequada manutenção da frota.

O ideal é desligar o motor sempre que for parar para abastecer, em grandes congestionamentos ou ao realizar a carga/descarga. Muitos motoristas se opõem a isso por achar que deixar o veículo em ponto morto gasta menos combustível do que ficar ligando e desligando o motor. Porém, a realidade é o contrário. Além de não economizar combustível, a prática de dirigir em ponto morto aumenta o desgaste do sistema de frenagem.

É bom lembrar ainda que também é um mito a ideia de que o motor precisa ser aquecido, já que os caminhões atuais detêm sistema de injeção eletrônica que dosa o abastecimento do motor e a queima do combustível no período necessário. Além do mais, os óleos lubrificantes mais modernos são preparados para que não haja mudanças no desempenho pelas diferenças de temperatura do motor.

Custo de diária

Um veículo parado também pode acarretar em demora para que a transportadora cumpra um contrato. Com isso, pode haver necessidade de pagar horas extras para a equipe e ter custos com diárias do motorista, já que pode ser preciso providenciar alimentação e hospedagem, por exemplo.

Atrasos

Ademais, um caminhão parado também pode afetar a logística de entrega. Demoras na carga e descarga do veículo, por exemplo, podem gerar atrasos nas viagens seguintes e causar prejuízos para a rotina da empresa.

Com essas informações sobre os prejuízos e os custos de um caminhão parado, o gestor pode realizar um melhor controle de frota para diminuir as perdas e ampliar o potencial da área logística.

E você? Já teve prejuízos com o caminhão parado? Conte para a gente! Deixe um comentário no post!