A eficiência logística de uma organização depende de máquinas e equipamentos, mão de obra qualificada, uma gestão bem estruturada e, claro, disponibilidade de veículos. Esses devem ser compatíveis com as atividades do negócio e distribuir adequadamente os produtos aos clientes e entrepostos logísticos, como os centros de distribuição. Por isso é tão importante saber como financiar um caminhão.

Afinal, para não criar gargalos operacionais diante da crescente demanda do mercado, é preciso ter veículos suficientes para essa movimentação logística, ou seja, investir em uma nova frota. Porém, existe um medo recorrente de onerar o fluxo de caixa com financiamentos longos, altas taxas de juros e parcelas difíceis de cumprir.

Por esse motivo, o BNDES criou uma linha de financiamento empresarial específica para empresas, chamada FINAME — Financiamento de Máquinas e Equipamentos. Quer descobrir como financiar um caminhão por meio dela? Nós explicamos agora!

Como financiar um caminhão pelo FINAME: veja o passo a passo

1. Escolha os equipamentos e veículos

O primeiro passo é a escolha da máquina, equipamento ou veículo pelo interessado, que deve verificar se o item consta na listagem de equipamentos financiáveis pelo BNDES no seguinte endereço eletrônico.

2. Defina o agente financeiro

Logo depois, é preciso escolher a linha de financiamento mais adequada para a sua situação na ferramenta disponibilizada pelo BNDES e procurar um agente financeiro credenciado:

  • bancos comerciais;
  • bancos de desenvolvimento;
  • agências de fomento;
  • cooperativas de crédito etc.

Esses agentes financeiros estão autorizados a repassar os recursos do BNDES para as empresas fornecedoras dos veículos — segundo informações das circulares de número 05/2017 e 43/2017.

O agente escolhido analisará a situação financeira do interessado, informará a documentação necessária e negociará as garantias. Caso aprove a operação, encaminhará a solicitação para o BNDES.

Operações com aquisição avaliadas acima de R$ 20 milhões, com prazo superior ao estabelecido ou com participação do BNDES superior à convencional exigem que a instituição financeira encaminhe uma Consulta Prévia ao BNDES.

3. Aguarde a avaliação do BNDES

Com o aval do agente financeiro, o BNDES também avalia a solicitação do financiamento, observando a documentação exigida e se todos os requisitos foram cumpridos e, em caso positivo, autoriza o financiamento.

4. Efetive o financiamento

Cumpridas as etapas anteriores, o agente repassa o valor liberado pelo BNDES ao fabricante (mediante solicitação e apresentação de nota fiscal), o autoriza a entregar o veículo financiado ao comprador e se responsabiliza pelo recebimento das parcelas.

Até aí, parece fácil, não é mesmo? Mas esse tipo de aquisição requer algumas considerações, relacionadas à capacidade de pagamento do comprador, para que não seja uma obrigação difícil de cumprir em longo prazo. Por isso, vamos lhe orientar quanto a essas questões a seguir. Siga com a leitura!

Simule o financiamento para adequá-lo ao seu fluxo de caixa

A simulação é uma possibilidade de avaliar como ficará o financiamento, ou seja, as parcelas em função da taxa de juros praticada, no seu fluxo de caixa. Assim, é possível visualizar o prazo e todos os encargos que incidem sobre a operação.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) disponibiliza uma ferramenta que simula o financiamento dos veículos, com essas considerações neste endereço.

Analise a taxa de juros e os encargos incididos sobre a operação

Segundo o site do BNDES, a composição da taxa de juros varia de acordo com o tipo de operação e a taxa de intermediação da instituição financeira escolhida e outros fatores. São eles:

  • custo financeiro: é o custo da captação do BNDES em suas diferentes fontes de recursos e muda conforme o produto financiado, linha de financiamento ou programa, podendo ser composto pelas taxas TLP, SELIC, taxas indexadas ao IPCA, entre outras;
  • remuneração básica do BNDES: cobre as despesas administrativas e operacionais da instituição;
  • taxa de risco de crédito: definida conforme a Política de Crédito do BNDES. Para operações indiretas (intermediadas pelas instituições financeiras), quem assume o risco da operação é a instituição credenciada;
  • taxa de intermediação financeira: cobre o risco de crédito avaliado pelas instituições financeiras credenciadas;
  • remuneração da instituição financeira credenciada: valor que pode ser negociado entre a instituição e o cliente. Varia conforme políticas próprias para financiamento;
  • outros encargos: comissões e outros encargos que podem ser cobrados pelo BNDES;
  • encargo por reserva de crédito: tarifa cobrada pela não utilização do saldo do financiamento contratado.

É possível consultar a Tabela de Tarifas do BNDES para verificar as taxas praticadas.

Operações indiretas

Taxa de juros final = Custo Financeiro + Taxa do BNDES (inclui a remuneração do BNDES e a taxa de intermediação financeira) + Taxa do Agente Financeiro.

Por exemplo, se o custo financeiro é de 7% a.a. (fator 1,07), a taxa do BNDES é de 1,5% a.a. (fator 1,015) e a taxa do agente é de 3% a.a. (fator 1,03), logo, a taxa de juros praticada será de 1,07 x 1,015 x 1,03 – 1, ou seja, 11,86% a.a.

Operações diretas

Taxa de juros final = Custo Financeiro + Taxa do BNDES (inclui a remuneração do BNDES e a taxa de risco de crédito).

Por exemplo, se o custo financeiro é de 7% a.a. (fator 1,07), a taxa do BNDES é de 5% a.a. (fator 1,05), a taxa de juros será 1,07 x 1,05 – 1, ou seja, 12,35% a.a.

Avalie o tipo de financiamento adequado para sua situação

A linha de crédito “BNDES Finame – BK Aquisição e Comercialização” é utilizada para o financiamento de veículos. Ela é concedida para sediados e domiciliados no país, que podem ser:

  • empresas;
  • administração pública;
  • empresários individuais e microempreendedores;
  • produtores rurais;
  • transportadores autônomos e pessoas físicas associadas a cooperativas;
  • fundações, associações e cooperativas.

As condições financeiras dessa linha variam conforme o porte do cliente:

Classificação Receita operacional bruta anual ou renda anual
 Microempresa Menor ou igual a R$ 360 mil
 Pequena empresa Entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões
Média empresa Entre R$ 4,8 milhões e R$ 300 milhões
Grande empresa Maior que R$ 300 milhões

As taxas do BNDES variam entre 1,42% a.a. e 2,25% a.a., e a participação do BNDES no financiamento para micro, pequenas e médias empresas pode ser de até 100%, enquanto, para grandes empresas, pode chegar até 80%.

Para a aquisição de ônibus e caminhões, a parcela que exceder a participação de 60% do BNDES terá custo baseado em referenciais de mercado. O prazo de pagamento é de até 10 anos, com carência de até 2 anos.

A escolha da empresa credenciada pelo BNDES para o fornecimento do veículo é parte essencial desse processo, que exige credibilidade e experiência no mercado.

A Real Furgões projeta e fabrica soluções para o transporte de cargas há mais de 30 anos e tem o veículo certo para as suas operações. Agora que você sabe como financiar um caminhão pelo FINAME, que tal entrar em contato com a gente e escolher o seu?