Sobreviver às investidas do mercado é um obstáculo que atinge todas as empresas, em todos os segmentos de negócio. Esse é um cenário comum nos setores logísticos que, para diminuir custos, precisam descobrir maneiras de economizar. O controle de abastecimento surge como uma saída viável para resolver essa questão.

Vale reforçar que o maior gasto desse tipo de atividade é o combustível, pois sua compra é essencial para manter o trabalho em pleno funcionamento. No entanto, existem atitudes e ferramentas para administrar esse recurso com eficiência.

Pensando nisso, reunimos as melhores dicas de economia para tornar seu negócio mais rentável e competente. Veja!

A importância de fazer o controle de abastecimento

No Brasil, os motoristas e as empresas precisam pagar preços elevados para abastecer seus carros. Mas os gerentes logísticos que administram o consumo médio de combustíveis de seus veículos podem criar ações a fim de diminuir gastos como diesel, etanol ou gasolina.

Ao fazer esse tipo de controle, é possível ficar antenado quanto ao preço de mercado de cada item e, por consequência, detectar o combustível com melhor custo-benefício para a frota.

Além disso, esse controle permite analisar o desempenho de cada automóvel e identificar quais apresentam melhor ou pior performance em um determinado trajeto. Esses dados também permitem antecipar o custo de cada quilômetro rodado, o que evita abastecimentos fora do programado e erros de cálculo.

Sem contar que as atitudes praticadas potencializam o aproveitamento do combustível. Isso porque elas permitem que os veículos corram por mais tempo e, simultaneamente, reduzam os gastos, o que pode gerar diferenciais competitivos e estimular o desenvolvimento da sua empresa no mercado logístico.

6 dicas para fazer o controle de combustível da frota

Felizmente, existem diversos métodos de controle de abastecimento. Por isso, selecionamos as melhores dicas econômicas da atualidade. Confira!

1. Capacite os colaboradores

Comece com seus próprios funcionários. Invista em treinamento para promover uma consciência coletiva a respeito da importância de agir com prudência e evitar desperdícios. Isso pode ser feito recorrendo a:

  • cursos de qualificação presenciais ou online);
  • workshops;
  • palestras;
  • avaliações periódicas para testar o conhecimento dos motoristas.

Dessa forma, você consegue incentivar a relevância de controlar o combustível, bem como explorar as melhores condutas de trânsito, como a utilização correta das marchas, atenção às placas e sinais. Além de “proibir” uso de celular ao volante, acelerações em excesso, frenagens bruscas, entre outras situações.

2. Planeje as rotas

A fórmula é simples: quanto maior a distância, mais combustível será gasto. No entanto, alguns empecilhos podem comprometer essa lógica: condição precária das vias, engarrafamentos, paradas policiais etc.

Nesse sentido, planejar as rotas com atenção evita muitos problemas, além de reduzir a distância em alguns momentos. Ao contar com um sistema de roteirização, você consegue prever como o trajeto será feito. Assim, mais resultados positivos serão conseguidos no seu controle de abastecimento.

3. Garanta a conservação dos veículos

A idade média da frota reflete diretamente no aumento do consumo de combustível. Isso ocorre porque os veículos mais velhos não têm o mesmo desempenho em relação aos mais novos. Além disso, os zero-quilômetro quase não necessitam de reparos, garantindo o conforto e a segurança dos motoristas.

Isso significa que é importante pensar na renovação de carros e caminhões, conforme o porte da empresa. Outra indicação que apresenta bons resultados é a revisão periódica com foco na prevenção. Essa intervenção tem o intuito de detectar, com antecedência, panes veiculares que poderiam gerar danos e prejuízos. Portanto, invista na conservação da sua frota e considere a substituição de veículos defasados para melhorar sua performance logística.

4. Cuide dos pneus e controle o peso

Correr com pneus descalibrados aumenta o consumo de combustível. Não é exagero: se eles estiverem com a pressão adequada podem fazer uma economia e tanto no final do mês. Em alguns veículos, o retorno positivo pode ser ainda maior.

Portanto, faça isso uma vez por semana, ou antes de viagens longas, seguindo as instruções do fabricante. Caso contrário, eles podem se desgastar precocemente, perdendo a aderência ao solo, colocando a segurança da direção em risco — ainda mais em dias de chuva.

Quanto mais pesado for o caminhão, por exemplo, mais diesel ele vai “beber”. Logo, fique atento ao volume máximo suportado pelos pneus e como será feita a distribuição do peso na carroceria.

Os motoristas precisam desenvolver o costume de checar a pressão desses componentes antes de pegarem a estrada. Além disso, você, gestor, precisa fiscalizar para que ninguém esqueça de cumprir o que foi recomendado.

5. Faça uma parceria com o fornecedor

Aderir a programas de fidelidade ou fechar contratos de parceria com postos é uma maneira inteligente de economizar. Isso leva à obtenção de descontos nos abastecimentos futuros, além de garantir descontos em outros produtos e serviços.

Na hora de escolher o melhor fornecedor, avalie as qualidades do negócio antes de “bater o martelo”, como:

  • atendimento e comunicação;
  • deslocamento fácil para abastecimentos;
  • melhor custo-benefício em relação à concorrência;
  • reputação do estabelecimento na região;
  • prazos para pagamento;
  • transparência.

6. Invista em telemetria e sistema de gestão

Aliar o controle de abastecimento à tecnologia garante a eficiência das operações logísticas. Um sistema de telemetria, por exemplo, consegue trocar informações com os veículos em tempo real, além de compilar registros úteis para monitorar os trajetos da melhor forma.

Na prática, há um dashboard que indica o consumo de cada veículo pela quilometragem percorrida, a fim de mostrar a frequência da demanda de reabastecimento, ou seja, se os motoristas estão abastecendo mais do que devem. Essa ferramenta ainda acompanha outros fatores que afetam o consumo da frota, como:

  • nível de desgaste de sistemas e componentes, como suspensão, freios, fluidos e pneus;
  • frenagens excessivas;
  • gastos ocultos;
  • posição e velocidade do veículo;
  • planejamento e rodízio de pneus.

Também vale mencionar que sistema de gestão de frotas pode gerar mais economia e produtividade à rotina. Isso porque esse tipo de solução compila e integra dados com base na sua atuação logística (interna e externa). É o caso da quilometragem por litro, rotas mais seguras e até mesmo dos diagnósticos feitos após cada revisão. Para tomar decisões, a tecnologia é imprescindível para que você faça um bom gerenciamento da sua frota. Pense nessa possibilidade.

Esperamos que as dicas mencionadas acima possam ajudar você a fazer um bom controle de abastecimento. Afinal, com a alta no preço do combustível, uma gestão focada nesse insumo pode ajudar a reduzir custos em médio e longo prazos. Portanto, não perca tempo e coloque essas recomendações em prática agora mesmo!

Se você gostou deste conteúdo, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais. Assim, seus colegas gestores de frota também saberão como fazer uma gestão de combustível exemplar.