A atividade logística apresenta diversos desafios para as empresas que atuam nesse setor da economia. Desde acidentes de trânsito até a atuação de quadrilhas de roubos de cargas, os riscos são inúmeros. Por isso, uma das formas de proteger o patrimônio dos clientes é a contratação de um seguro de transporte de carga.

Essa tática tem se tornado cada vez mais comum e acessível com o surgimento de novas seguradoras no mercado. Sabendo que esse tipo de contrato é um documento complexo, desenvolvemos este conteúdo para esclarecer os aspectos mais importantes.

Continue lendo e saiba como simplificar a tomada de decisão. Confira!

Seguro de transporte de carga: o seu conceito e importância

Adotar medidas preventivas é uma das principais atividades do gerenciamento de riscos das empresas. Por isso, o mercado de seguros desenvolve soluções para esse fim, protegendo tanto embarcadores como transportadores.

Como todas as apólices, a proteção para as mercadorias transportadas tem o objetivo de ressarcir o proprietário da mercadoria em caso de sinistro que implique danos ou a sua perda.

Por isso, o seu objetivo é evitar a perda financeira causada por danos ao patrimônio.

Seguros de responsabilidade do transportador

Para os operadores logísticos ou para as empresas que têm frota própria existem seguros obrigatórios que protegem tanto a carga como o veículo. São eles:

  • RCTR-C: é o seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga cuja adoção é obrigatória e cobre as avarias sofridas pelos bens em sua posse causadas por imperícia, imprudência ou negligência;
  • RCF-DC: é o seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga. A sua aquisição é opcional, porém tem cobertura específica contra o desaparecimento da carga e do veículo causado por furto, roubo, extorsão, mediante sequestro ou apropriação indébita.

Os fatores mais importantes de uma apólice de seguro

A contratação de seguradoras voltadas para a proteção da carga exige grande cuidado devido ao valor agregado de muitas mercadorias.

Aparelhos eletrônicos e medicamentos são produtos visados pela ação de criminosos devido ao seu valor de revenda. Já os equipamentos industriais, caso sejam danificados em acidentes, representam um prejuízo considerável por causa:

  • do prazo reposição;
  • do retrabalho da equipe;
  • da indenização do cliente;
  • do período gasto para reparos;
  • da interrupção da produção do cliente.

Adote medidas de gerenciamento de risco

Grandes empresas comumente adotam essa prática em todos os aspectos de seu negócio antes de tomar decisões. Contudo, essa ação não recebe o mesmo foco em empresas de pequeno e médio porte.

Porém, a sua relevância fica clara ao consideramos as ameaças existentes no transporte de cargas. Desse modo, o gestor pode determinar os cenários que podem se manifestar e aplicar medidas preventivas e corretivas. A aquisição de um seguro completo é uma dessas ações que minimizam os danos de natureza financeira.

Verifique a cobertura contra sinistros

Por causa da alta variedade de riscos aos quais a operação de transportes está sujeita, o contrato com uma seguradora deve refletir essa especificação. Por isso, é importante buscar produtos mais adequados às diferentes situações que podem se manifestar.

Essa é uma etapa que exige cuidado minucioso para elaborar um contrato compatível com o tipo de mercadoria transportada e as localidades as quais se destinam. Existem casos que certas regiões não são cobertas enquanto outras requerem ainda mais proteção. Esse é o caso dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, que lideram o ranking de incidência de roubo de cargas nas estradas.

Considere as variáveis

O valor da taxa dos seguros e a respectiva indenização dependem de diversas variáveis que devem ser avaliadas tanto pela seguradora como pelo contratante. Por isso, o valor da mercadoria e o tipo de veículo utilizado compõem o cálculo da tarifa paga pelo transportador.

Por isso, o conhecimento sobre as cláusulas contratuais e os riscos da operação são fundamentais para avaliar as coberturas necessárias e o seu impacto nos custos e na formação do preço de frete.

Avalie o tipo de contrato

Esse é um fator que afeta principalmente as pequenas empresas que não contam com pessoal qualificado para lidar com esse processo.

Muitas vezes, o gerente ou proprietário assume essa função pelo seu valor estratégico, mas não tem os conhecimentos necessários para tomar esse tipo de decisão com segurança.

Averbáveis ou abertas

São contratadas com base no número de averbações periódicas, o que torna essa modalidade mais vantajosa para quem realiza embarque com frequência. Geralmente, o limite é estabelecido em contrato limitando o total de averbações possíveis, porém pode ser ajustado em caso de necessidade.

Ajustáveis

Esse tipo é contratado utilizando o prêmio depósito como parâmetro inicial, contudo, no decorrer da vigência do contrato existe a opção de realizar ajustamentos conforme o número de embarques. Ao final da vigência será ajustado o valor do prêmio.

Avulsas

Nessa opção o seguro é contratado a cada viagem com pagamento antecipado do prêmio. Essa é uma alternativa para as transportadoras que realizam poucos carregamentos, mas que desejam estar resguardadas.

No contrato são descritos: o tipo de mercadoria, a quantidade de lotes, o valor, a quantidade de embalagens, os locais de origem e destino, o modal de transporte e a duração do trajeto de entrega.

Combine o monitoramento de veículos

Essa é uma prática cada vez mais comum no mercado de seguros, no qual a seguradora incentiva a aquisição de ferramentas e sistemas de monitoramento veicular. Com isso, o gestor tem a sua disposição sistemas de rastreamento que permitem acompanhar o andamento da entrega.

Porém, a sua funcionalidade mais valiosa é a contribuição para a localização do veículo em caso de roubo. Desse modo, é possível acionar as autoridades rodoviárias, o que aumenta a chance de recuperação dos bens.

Além de se tornar um diferencial competitivo, as taxas cobradas pela seguradora podem receber descontos, o que representa mais uma fonte de economia.

Conheça como acionar o seguro

Já falamos como esse tipo de contrato é complexo e exige avaliação cuidadosa. O processo de acionamento do seguro em caso de sinistro também requer atenção, pois tende a ser burocrático.

Tudo começa no momento da averbação, que é o documento pelo qual o proprietário da carga ou o transportador comunica a seguradora sobre a realização dos embarques. Essa etapa é simples e pode ser feita pela internet.

Na ocorrência de um acidente ou roubo de cargas, o procedimento começa com o comunicado à seguradora prestando as informações necessárias para confirmar o sinistro. Somente após a conclusão desse processo e da eventual investigação é que a indenização será liberada.

O seguro de transporte de carga é apenas mais um dos documentos que garante a regularidade da carga em caso de fiscalização. Por isso, a gestão de transportes deve dedicar-se a sua emissão para evitar infrações. Dito isso, aproveite para conhecer os cinco documentos de frete essenciais!